Intervenções Públicas

13 de Setembro de 2018

Discurso do Vice - Governador do Banco Nacional de Angola, Manuel António Tiago Dias, na abertura X Encontro de Estatísticas dos Bancos Centrais dos Países de Língua Portuguesa

Excelentíssimos Membros do Conselho de Administração e Delegações dos Bancos Centrais dos Países de Língua Portuguesa; 
Digníssimo Director do Gabinete de Estudos e Planeamento do Governo da Província de Benguela;
Ilustres Representantes do Instituto Nacional de Estatísticas e da Administração Geral Tributária;
Caros Delegados Regionais, Directores e Técnicos do Banco Nacional de Angola;  
Minhas Senhoras e Meus Senhores.

Em nome do Conselho de Administração do Banco Nacional de Angola, gostaria em primeiro lugar de exprimir as nossas calorosas saudações e boas vindas a todos os participantes ao X Encontro de Estatísticas dos Bancos Centrais dos Países da Língua Portuguesa, que temos o prazer de organizar e acolher aqui na cidade de Benguela. Desejamos a todos uma boa estadia.

Estimados Colegas, 

Angola atravessa actualmente uma conjuntura económica desafiante, devido à queda do preço médio de petróleo bruto nos mercados internacionais desde meados de 2014, a principal fonte de receitas fiscais e de exportação do País.

Contudo, podemos afirmar que a economia angolana passa agora por uma fase de estabilização macroeconómica. Após um período de dois anos consecutivos marcados com taxas de crescimento real do PIB negativas de 2,6% e 2,5% em 2016 e 2017, para o corrente ano, perspectiva-se uma taxa de crescimento negativo de apenas 1,1% e finalmente, a partir de 2019 o País retomará a sua trajectória de crescimento com taxas positivas. 

Várias reformas económicas estão em curso, cujas medidas constam do Plano de Estabilização Macroeconómica e Plano de Desenvolvimento Nacional 2017-2022, definidos pelo Executivo angolano, com realce para as seguintes medidas de política económica:

  • O aumento da competitividade da produção interna;
  • A diversificação das exportações e substituição das importações (PRODESI);
  • A consolidação fiscal: aumento das receitas e redução das despesas públicas;
  • A criação de condições para um melhor ambiente de negócios e de atracção do investimento estrangeiro; e
  • A flexibilização da taxa de câmbio oficial.
Estimados Colegas,

Depois do Banco Nacional de Angola ter acolhido e organizado pela primeira vez na cidade de Luanda o III Encontro de Estatísticas dos Bancos Centrais dos Países da Língua Portuguesa em Março de 2005, é com muita satisfação que estamos a organizar mais uma vez este certame, com a integração de mais três países lusófonos nos últimos anos, nomeadamente, Brasil, Timor Leste e Macau. 

As estatísticas macroeconómicas ganharam nos últimos anos, uma maior visibilidade e utilidade, face às constantes crises económicas e financeiras que eclodiram no mundo desde o ano de 2008. Por exemplo, a literacia estatística da população angolana melhorou bastante, e com isso a consulta e os debates sobre os dados estatísticos publicados pelos órgãos oficiais aumentou consideravelmente. 

Assim sendo, os Bancos Centrais, na sua qualidade de produtores de estatísticas oficiais são desafiados a melhorar cada vez mais a qualidade das estatísticas por si produzidas, tendo em conta o papel crucial que estas desempenham, como instrumento eficiente de coordenação e suporte à tomada de decisões, quer dos gestores públicos, de empresas e das famílias.

O tema central escolhido para este encontro “O Papel das Estatísticas na Prevenção de Riscos e Vulnerabilidades do Sistema Financeiro” mostra claramente o comprometimento das nossas instituições em antecipar novas crises sistémicas, recorrendo-se para tal às informações estatísticas fiáveis, para a adopção de medidas de política mais assertivas.

O Banco Nacional de Angola, em particular, tem dado primazia à sua função estatística, procurando adoptar o seu Departamento de Estatística com quadros qualificados e competentes, sem desprimor das outras áreas, que de igual forma desempenham um papel fundamental na prossecução das actividades da instituição. 
 
O plano estratégico do Banco Nacional de Angola para o período de 2017 a 2022, prevê um conjunto de acções estratégicas atinentes à melhoria das estatísticas segundo as boas práticas internacionais, com realce para as seguintes:  

  • A criação de uma central de balanços;
  • A compilação das estatísticas das Outras Sociedades Financeiras; 
  • A compilação da Conta Nacional Financeira; 
  • A automatização dos processos estatísticos; 
  • A redução dos prazos de divulgação das estatísticas, com realce para a publicação da Balança de Pagamentos trimestralmente; 
  • A centralização das informações estatísticas e a criação de um canal único para sua difusão.

Grande parte das acções estratégicas referidas acima está alinhada com os temas das sessões de trabalho deste certame, sobretudo, as sessões III e V, que se debruçarão sobre os desenvolvimentos no domínio das contas nacionais financeiras e as soluções tecnológicas no processo de recolha, tratamento e publicação das estatísticas.

Para além dessas sessões, o encontro servirá também para fazer um balanço das principais transformações ocorridas na função estatística dos bancos centrais da CPLP, analisar os diferentes indicadores coincidentes de acompanhamento da actividade económica utilizados por cada um dos bancos, as experiências na captação e inserção das transacções informais nas estatísticas produzidas, bem como o papel das estatísticas na prevenção de riscos do sistema financeiro.

Estimados Colegas,

Na verdade, todas as sessões de trabalho têm como principal objectivo, a troca de experiências entre os diferentes bancos centrais aqui presentes no domínio da sua actividade estatística. 
Por isso, as expectativas são grandes relativamente aos resultados que este encontro poderá produzir e almejamos que tirem o máximo proveito possível dos trabalhos que serão apresentados, bem como os debates que deles resultarem.

Finalmente, antes de terminar gostaria de dirigir uma palavra de apreço aos membros da comissão organizadora deste encontro e desejar a todos os presentes um bom trabalho, e que desfrutem da cidade das Acácias Rubras, da sua gente, bem como da sua rica gastronomia.

Portanto, declaro aberto o X Encontro de Estatísticas dos Bancos Centrais dos Países da Língua Portuguesa.